Home / World / Photography / Curtindo Saltos de Rio Petrohué e Vulcão Osorno.

Curtindo Saltos de Rio Petrohué e Vulcão Osorno.

www.mundo100fronteiras.com.br

 

 

20º dia – Curtindo Saltos de Rio Petrohué e Vulcão Osorno.

 

 

Hoje descansamos pela manhã para reservar energias a fim de subir o Osorno.

 

Aqui normalmente o pessoal não acorda antes das 09:00 (10:00) no Brasil, eu levantei cedo 08:00 aqui e fui fazer algumas coisas pendentes como café e chimarrão, cansei muito depois disso e resolvi me sentar e tomar um chimarrão gaúcho bem gostoso, depois faço o que tiver que fazer.

 

A tarde voltamos aos Saltos do Rio Petrohué, que ontem a tarde estava fechado, o lugar é fantástico, sua agua azul turquesa fica mais linda com as quedas por onde passa, a agua é tão cristalina que dá pra ver os peixes (Salmão ou Truta) no fundo, a sua cor se deve por conta da formação geológica de pedras vulcânicas ricas em minerais.

 

Nos dirigimos a base do Vulcão Osorno e a subida já rende muita foto bonita.

 

Subimos as duas etapas de teleférico e a terceira caminhando sem guia, a subida é difícil mas nada que possa se dizer impossível, o perigo de cair é constante e a vista é maravilhosa.

 

De cima do Vulcão dá pra ver as cordilheiras dos Andes, a 1800 metros aproximadamente, temos a visão dos Saltos do rio Petrohué e do lago Llanquihue.

 

Não é tão frio quanto esperávamos, ao menos no verão, e a neve que se forma deu para fazer um esqui-bunda na base de cima antes da subida.

 

O tracking da base para cima é pesado por conta da terra solta junto com pedras vulcânicas e isso deixa a subida um tanto perigosa mas nada que se compare com a descida, essa sim foi de arrepiar, muito mais perigosa, demoramos o dobro do tempo para descer, valeu cada minuto investido.

 

Fica a saudade do Osorno e a vontade de visitar outro vulcão pois são formações maravilhosas.

 

Há a opção de descer, de um certo ponto, de tirolesa mas essa é somente até as 17:00 e descemos as 18:30.

 

Aqui existe uma espécie de abelha que incomodam muito, O TÁBANO, elas aparecem em Dezembro e desaparecem em meados de Janeiro, em cada pessoa sempre há umas 10, ou mais, na volta e isso incomoda muito, até no alto do vulcão tinha, em quantidade muuuuiiiittttooo menor mas tinha, tipo uma para cada pessoa.

 

O bixo tira as pessoas do sério pois ficam na volta e todo mundo parece louco se tapiando…..kkkkkkk….chega a ser engraçado. Os gaúchos de fronteira conhecem por “mutuca” só que esta aqui é umas 3 vezes maior, e pensa num bixo chato.

 

 

 

Resumo do dia:

 

 

50 Km rodados

 

Temperatura mínima 10ºC

 

Temperatura Máxima 29ºC

 

_DSC4015

_DSC4035

_DSC4044

_DSC4070

_DSC4097

_DSC4098

_DSC4099

_DSC4153

_DSC4193

_DSC4199

_DSC4211

_DSC4213

Check Also

De Entre lagos à Bariloche.

www.mundo100fronteiras.com.br     22º dia – De Entre lagos à Bariloche.     Hoje foi ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *